Um Sonhador Imaginando

Um Sonhador Imaginando

Ô cumpade véi

O riacho do navio

não corre pro pajeú?

O rio pajeú não

despeja no s.francisco?

E o rio são francisco

Não bate no mei do mar?

Pois imagine um riacho

Correndo pr'outro navio

E esse grande navio

pelos céus a navegar...

To maginando um navio

Um veleiro voador

Cheio de água e frescor Pra.

no sertão, vaguear

Com meu barco eu avoar

Por ali surrupiando Parando

de quando em quando

Por tudo quanto é roçado

Quem der beiço espantado:

- que diacho tu tais tramando?

Responderei animado

Apenasmente aguando.

Procurarei entender

Os raios de sol e brasa

Protegerei com minha

asa As casas sem eira e beira

Esquecerei nas torneiras

Do sangrador escoando

Se a passarada voando

Bandos de fogo-apagou

Interrogá que eu sou

Com tanta água sobrando

Responderei abrandado

Sou eu aqui aguando

Orvalharei as folhagens

Os frutos de cor e cheiro E por fim,

por derradeiro E num vigor

bem maior Eu derramarei

meu suor Recolherei as amarras

O inverno aunciando

Festejarei proclamando:

Tá bonito pra chover!

E retornarei a ser

Um sonhador maginando.

É...seu dominguinhos

Essa maginação

Esse sonho caquiado

É para o mestre gonzaga

Que tá no vão das alturas

Rodando no lado a

Do disco da imensidão

Negociando chuvada Com

são pedro e companhia

Com a mais pura poesia

De nordeste e de sertão Eita!

cumpade véi! Isso não é mais

um dominguinhos Isso é

uma segunda Em terça,

uma quarta Cheia de quinta,

sexta e sábado De feira e de poesia