Almas

Almas

A minha e a tua alma não têm calma
Almas amantes, platônicas almas, à procura de um ninho
Contraditórias almas, que vibram nos corpos e querem carinho
Querem o prazer de um ninho de amar, de amor, amor, amor...

E mesmo que passem anos e anos, sempre haverá amor
Mesmo em outra vida... Sempre haverá amor
Sim, essa é a nossa história, porque sonhamos o mesmo sonho
O mesmo sonho de amor...

Sonhamos porque nossas almas se precisam e porque existe amor, amor, amor
E assim, nossas almas sedentas bebem no poço do desejo...
E em olhares, sorrisos, abraços e beijos...
Almas gêmeas se saciam, se tocam, se amam e se entendem...

A minha e a tua alma não têm calma
Almas amantes, platônicas almas, à procura de um ninho
Contraditórias almas, que vibram nos corpos e querem carinho
Querem o prazer de um ninho de amar, de amor, amor, amor...

Então não demore, vem... vem meu bem
Porque o silêncio que separa mundos, machuca o coração
E nesse mundo “cão”, tão diferente do nosso bem-querer
Em todas as vezes que penso em dizer não ...
O atalho sempre, sempre... Termina em você

A minha e a tua alma não têm calma
Almas amantes, platônicas almas, à procura de um ninho
Contraditórias almas, que vibram nos corpos e querem carinho
Querem o prazer de um ninho de amar, de amor, amor, amor...

E mesmo quando o mundo nos diz não, eu sonho...
E sigo! Aí as nossas almas se encontram no azul de um céu azul
Céu que vemos depois da vidraça, lindo céu azul...
O nosso azul de amor...

Liane Souza.